Descobrindo novos limites

Por: Alberto Oliveira

Saudações Pessoal. Hoje eu queria falar um pouco sobre a questão dos limites. Mas não aqueles que nós damos aos pequenos no sentido do comportamento em si. Mas os que vão sendo descobertos em termos de novas possibilidades para o mundo que se abre na frente deles e envolve, também, questões físicas. Para isso, queria contar algo que ocorreu no ultimo final de semana.

No sábado, fomos ao parque. Um dos tantos disponíveis aqui em Recife. Fomos eu, Davi, Xanda (minha noiva, apresentada no ultimo texto) e Nick (nosso cachorrinho). A ideia era passar um tempo todos juntos brincando e se divertindo. E foi bem isso que aconteceu. Uma tarde/noite bem divertida, que me abriu espaço para algumas (boas) observações.

No parque onde estávamos, havia um brinquedo maior,que tinha prancha e rede de escalada, escorrego e uma ponte, além de uma escada. Um brinquedo com boas possibilidades de exercitar , inclusive, a criatividade.

Pausa.

Sou filho único, criado pela minha mãe e meus avós, com a ajuda de Maria (que foi minha babá, é da família e ainda quer ser minha babá até hoje, risos). Fui, de certa forma, criado em um ambiente superprotetor. E, algumas vezes, a gente repete comportamentos que já viveu ou “aprendeu”. Sendo assim, eu tenho a tendência de “superproteger” Davi. Terapia, conversas e apoio (sobretudo de Xanda) vem me ajudando a mudar um pouco isso e permitir que Davi possa melhor explorar e conhecer seus limites.

Voltando ao episódio.

Pois bem. Em um determinado momento, Davi estava brincando no brinquedo que tentei descrever pra vocês (acreditem, se eu desenhasse ia ser pior, rs) com um outro menino um pouco maior do que ele. E o menino começou a fazer algumas coisas mais “perigosas”, tais como pular de cima do brinquedo direto para o chão. Meu primeiro impulso foi de dizer a Davi para não fazer. Mas decidi apenas observar.

E foi a melhor decisão que eu tomei naquela noite.

Vendo tudo aquilo, Davi quis, obviamente, imitar o menino. Mas, pela consciência que ele vem adquirindo em relação aos seus limites, imitou “do jeito dele”. Então, ao invés de saltar direto do ponto mais alto do brinquedo, ele foi até um local onde considerou “seguro” e de lá ele saltou.

– Olha papai, você viu?

– Sim filho, eu vi sim!

– Eu pulei bem do alto!

(rindo internamente)

– Eu vi! Você pulou muitoooo alto!

E seguiu brincando feliz, com seu novo limite e sua nova experiência. Permitir que eles possam experimentar as coisas faz parte do nosso papel. Ele poderia ter se machucado? Até eu, que estava sentado assistindo, poderia. Não estamos livres disso. Está aí a vida para nos ensinar através das quedas. Porém, o mais importante é que possamos permitir que eles saibam levantar sozinhos. Não estaremos com eles a vida toda e, por mais que seja muito difícil de entendermos isso, criamos nossos filhos para o mundo. Não para nós mesmos. Então,que possamos SEMPRE possibilitar novas experiências para eles. Pra nós, pode ser um arranhão ou uma pancada roxa. Para eles, muitas histórias para contar e novas experiências para guardar.

Compartilhar

1 pensamento em “Descobrindo novos limites”

  1. Mais que para as crianças é o aprendizado para os pais, deixar de ser você para ajudar uma parte de você crescer! Muito legal 🙂
    Boa sorte!!! Claramente você está no caminho certo!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *