Como vai a mudança que cobramos?

Por Beto Garcia

E essa mudança que a gente veio “cobrar” através desse blog, dessa página, desses textos, como ela está?

Você quer saber mesmo? Eu te conto o que vi e vivi recentemente.

No início do mês de outubro fui a um chá de bebê. Maior parte de adultos, obviamente, já que é uma festividade para adultos. Mas também havia muitas crianças presentes. Os futuros papais pensaram nisso e montaram um pequeno espaço para as crianças que estariam presentes. Eu, obviamente, fiquei por lá junto ao meu filho.

Em dado momento da festa, percebi que umas cinco a seis crianças com idades variadas brincavam no espaço. E cinco a seis papais estavam ali, brincando ou apenas olhando seus pequenos. Papais. Sim, somente homens estavam ali.

Em poucos instantes me vi pensando em tudo isso e no sentido que esse projeto tem para existir. Quando papais estão olhando, brincando, cuidando de seus filhos durante uma festa familiar. Podem existir alguns motivos para isso… Desde que a mãe foi ao banheiro, comer ou alguma outra possibilidade que a retirou do lado da criança momentaneamente, até o fato do pai estar ali sem a presença da mãe, como era o meu caso.

Me pus a avaliar a situação.

Em poucos minutos, apareceram umas 2 mães. Falaram alguma coisa com seus companheiros e retornaram para onde estavam. Uma outra chegou e substituiu o papai na brincadeira com a criança. Só isso. As outras não estavam ali ou não estavam preocupadas de deixar o filho somente na presença do pai.

Volto à pergunta do início do texto… E essa mudança que nos motivou a começar esse blog, essa página e a escrever esses textos? Vai bem, obrigado. Aliás, pelo que pude ver nesse dia em específico, ela vai MUITO bem, obrigado.

As crianças dessa geração agradecerão pelos pais presentes. Me arrisco a dizer que agradecerão pela participação desses pais na sua infância como nenhuma outra participou. Mas isso é só uma opinião minha. Você pode discordar e contestar. O que não dá pra contestar é a maior participação dos papais na vida de seus filhos. Isso é fato e não dá pra discordar ou contestar.

 ***

 Estava longe, distante daqui durante um tempo. Um problema de saúde tem me consumido e me impedido de ficar muito tempo sentado ao computador. Por isso, resolvi que deveria limitar esse tempo e tive que me afastar do note um pouco para melhorar. Espero conseguir voltar, gradativamente, para o prazer de escrever sobre a paternidade. Estou com saudades disso.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *